domingo, 28 de abril de 2013

Crítica: Iron Man 3 e a criança interior





No Reduto Brainstorm, nós temos um conjunto de políticas e condutas que devem ser seguidas a risca, muitas nem mesmo estão no papel, mas faço questão de que todos os blogueiros do site entendam, ao menos, o significado delas existirem.
Uma delas é que não devemos dar uma nota aos filmes ou livros que analisamos. Nem estrelas, nem de zero a dez, nem robôs, nem nada. Isso acontece por que a necessidade da nossa geração 2.0 de quantificar, enlatar, classificar e “rankiar” as coisas, tem causado algumas confusões e até estragado a graça de alguns momentos de lazer.
E o que isso tem a ver com “Homem de Ferro 3”?
Ao terminar o filme, o jovem 2.0, irá provavelmente analisar o envolvimento do roteiro, os efeitos especiais, outras características que considere relevantes para então classificar o filme como o “menos legal da trilogia” ou o mais “pipocão”, o mais descrente etc...

Tudo isso, ignorando o sorriso de satisfação que o filme estampou em seu rosto.

Eu não tenho certeza se estou me fazendo entender, mas enfim...



Homem de Ferro 3 mostra que na equação “Homem + Ferro” o Homem tem um valor muito maior. O trhiller de ação se passa algum tempo após os acontecimentos de “Os Vingadores” que deixou mais sequelas em Tony Stark do que poderíamos imaginar.
Tony percebeu que nós não estamos sozinhos no universo, que existem exército de aliens fulminantes, deuses nórdicos, supersoldados geneticamente alterados, gigantes de esmeralda e muitas outras coisas e seres que são capazes de nos esmagar com uma única mão. Em meio a tudo isso, Tony percebe que ele é apenas “um homem enlatado” nas palavras dele, e que (dessa vez) tem pessoas que ama e que precisa proteger.
Este constante pensamento resulta numa crise de ansiedade em Stark, além de noites em claro construindo armaduras e um comportamento nada saudável.

Paralelo a isso, surge um super terrorista que, em meio aos seus ataques aos
ianques, acaba provocando Tony Stark pessoalmente que compra a briga. Nesse momento acontece a emblemática cena de ataque a Stark House e os acontecimentos seguem o seu rumo.
O primeiro ponto discutível do filme: Depois de “Os Vingadores” fica difícil acreditar que Tony Stark iria passar por esse perrengue todo sem pedir a ajuda de seus super-amigos. Chega um ponto do filme que você realmente espera que ao menos o Steve Rogers venha dar uma força ao bilionário. Mas isso não acontece.

Os mais nerds já haviam percebido, com base nos trailers, o filme é baseado na saga “extremis” dos quadrinhos. Porém, ocorrem adaptações bastante claras durante o filme todo, algumas até bastante radicais, o que pode desagradar um ou outro fã dos quadrinhos mais xiita.
Elogiar Robert Donwey Jr é chover no molhado, esse rapaz É o Tony Stark até quando não está interpretando. Nem mulheres bonitas ou uma criança “esperta e fofa” foram capazes de roubar a cena do ator.

O filme é muito mais físico do que os seus antecessores, alguns pontos realmente lembram filmes do estilo Máquina Mortifera ou Duro de Matar, o que é bastante diferente do que a Marvel vem fazendo até então.

Quando entro na sala do cinema para assistir um filme da Marvel, quem realmente assisti é a minha criança interior, sério.  Ela que me faz acreditar na história de um homem que consegue criar uma armadura que pode fazer tudo, de que os problemas se resolvem fáceis assim, de que ele pode pular de um prédio para o outro com facilidade...
Não estou dizendo para você aposentar o seu senso crítico (jamais), mas quando for assistir ao filme, assista com a sua criança interior. Desencane de certas coisas e veja se o filme ira ou não cativar você. Com toda a sua aventura e explosões.

Portanto, a minha nota para o Iron Man 3 é:

“Me diverti.”



Quem compartilhar vai ganhar um fantástico abraço!!!
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...

8 COMENTÁRIOS

  1. Poxa, muito bom sua crítica. Realmente, estou cansado de ver pessoas irem atrás de coisas tão pequenas nos filmes, que esquecem do principal, que é a diversão.

    Parabéns pelo blog. Ele é bastante original.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Wendell, essa sempre foi a proposta do blog!

      Volte sempre

      Excluir
  2. Aliás, o filme tem sim cenas pós créditos!

    Mas é só uma gracinha, nada que indique algo sobre o próximo filme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez... mas as pessoas já repararam que naquela cena, o Tony já reconstruiu a torre Stark em NY, e Bruce Banner foi trabalhar lá... :)

      Excluir
    2. Olhaaa, faz sentido. Passou desapercebido por mim.

      Mas o que indica isso?

      Excluir
  3. Muito boa sua crítica, realmente. Filmes de herói são para divertir mesmo e nisso o filme cumpre seu papel com louvor.

    ResponderExcluir
  4. gostei bastante da observação sobre o super-herói ser de fato a junção de homem + ferro, nunca tinha visto por este lado. E concordo com o fato do Robert ser um super ator, ainda mais depois de ter passado por poucas e boas em sua vida pessoal. Ótimo post, parabéns!!!

    ResponderExcluir

:) :-) :)) =)) :( :-( :(( :d :-d @-) :p :o :>) (o) [-( :-? (p) :-s (m) 8-) :-t :-b b-( :-# =p~ :-$ (b) (f) x-) (k) (h) (c) cheer

 
© Reduto Brainstorm
By BlogThietKe
Posts RSSComentários RSS
Voltar ao topo